Publication en ligne : ARTis On, Journal of History of Art and Heritage – N° 1 – 2015.

cover_issue_4_pt_PT

A ART is ON é uma revista eletrónica anual, consagrada à divulgação de estudos de História da Arte, Ciências do Património e Mercados da Arte.

Trata-se de uma revista científica, publicada apenas em formato digital, aberta à colaboração de todos, académicos, estudantes, técnicos do património, agentes do mercado da arte, etc., com a finalidade de divulgar estudos emergentes, que se destaquem pela sua qualidade e originalidade.

Dedicada à pluralidade de temas que envolvem a Arte e o Património, tanto nacionais como internacionais, a ARTis ON compreende um Caderno Temático e uma secção de Varia, destinada a pequenos artigos, como recensões, notícias de descobertas recentes, novidades decorrentes de projetos de investigação, entrevistas, etc.

A aposta no formato digital e na possibilidade de publicação de artigos em diversas línguas estrangeiras (inglês, espanhol, francês e italiano) visa alargar a divulgação da revista e permitir a publicação por parte de autores estrangeiros.

Adresse internet : http://artison.letras.ulisboa.pt/

Sommaire :

p. 4:
EDITORIAL.

p. 6-16:
‘WHITE GOLD’ IN EARLY TO MID-EIGHTEENTH CENTURY VENICE AND FLORENCE – THE FIRST ITALIAN PORCELAIN FACTORIES AND THEIR HIGHLY COVETED PRODUCTION.
par Johannis Tsoumas.

An inaccessible material both in terms of technology and manufacture for the aristocratic classes and the royal courts of Europe and especially for the prominent politically, socially and culturally Italy, porcelain was until the beginning of the eighteenth century an ‘impossible dream’ which only through a limited number of Chinese wares could be satisfied. However in the early highly decorative and playful Rococo period, its discovery in Germany inaugurated a new era in the European decorative arts. Hard-paste porcelain was soon introduced in Northern Italy and started being produced in the cities of Venice and Florence respectively creating a new order in the great historical field of ceramic arts. This initiated a long and, at the same time, glorious era for porcelain objects production throughout the country, many of which are now rare examples of a valuable heritage in the history of decorative arts worldwide. This paper aims to document clearly and methodically the historical value of these events, focusing on the two first Italian hard-paste porcelain factories development and stressing the significance of their rare products.

p. 17-41:
O GRANDE ÓRGÃO DE TIBÃES E O SEU CONTEXTO DE PRODUÇÃO.
par Agnes Le Gac, Paulo Oliveira, Maria João Dias Costa.

Em 1984, sobre o órgão existente na Igreja do Mosteiro de Tibães, W. D. Jordan divulgou os nomes do organeiro, do entalhador da bacia e do ensamblador responsável pela caixa, bem como o montante que estes receberam pelo seu trabalho, mas ficou quase tudo por dizer em termos de logística, recursos materiais e humanos. Com o intuito de alimentar a fortuna crítica sobre a organaria em particular e as Artes Decorativas em geral, este artigo explora o Livro das Obras onde foram registadas todas as despesas suportadas com esta monumental empreitada. Permite assim reavaliar o período da sua execução, os pagamentos parcelares e o seu custo global, ter uma melhor apreciação quanto às matérias-primas usadas, à natureza dos serviços prestados e à diversidade dos ofícios envolvidos. Esta leitura permite retratar, num contexto tanto civil como religioso, aspetos históricos, geográficos, socioeconómicos, tecnológicos e artísticos próprios do último quartel do século XVIII, em Portugal.

p. 42-54:
EL ESCULTOR JUAN ADÁN Y EL RETABLO MAYOR DE LA CATEDRAL NOVA DE LLEIDA (1780-1783) – CREACIÓN, DESTRUCCIÓN Y GUSTO ARTÍSTICO.
par Iván Rega Castro et Isidro Puig Sanchis.

Este estudio se ocupa del retablo mayor de la “nueva Catedral” de Lérida —Catedral Nova de Lleida, en catalán—, obra maestra del escultor aragonés Juan Adán (1741-1816); e intenta documentar y (re)construir el proyecto de 1780. Poco antes de su terminación, éste fue destruido en el trágico incendio acaecido en julio de 1782, del cual se acusó injustamente a este escultor aragonés. Gracias a la investigación llevada a cabo en distintos archivos, se ha podido llegar a determinar sus circunstancias —pruebas, personas involucradas, consecuencias— sin las cuales el sentido de la historia y del patrimonio perdido sería incomprensible. Así pues, este estudio reúne numerosos materiales dispersos, junto a otros importantes documentos hasta ahora desconocidos sobre este trágico suceso y el verdadero alcance de la obra de Juan Adán.

p. 55-67:
AS ARTES DECORATIVAS NAS ESCADARIAS DE APARATO DE LISBOA NO SÉCULO XVIII.
par João Miguel Simões.

A escadaria de aparato no palácio barroco é um fenómeno artístico típico do século XVIII, subsidiário da cultura arquitectónica italiana, que pretendia manifestar junto do visitante o estatuto social do residente. Porém, em Portugal, as composições arquitectónicas ao modo italiano serão consideradas demasiado frias e austeras, tendo os seus encomendantes procedido, numa fase posterior, ao seu “melhoramento” através da aplicação de artes decorativas, como o azulejo, os estuques ou as guardas metálicas. Noutros casos, mais desligados da matriz italiana, a escadaria é projectada para receber painéis de azulejos figurativos que adquirem um grande protagonismo no conjunto, secundarizando mesmo a arquitectura. Mais tarde, na época pombalina, estes perdem importância, sendo substituídos por soluções mais económicas, como o azulejo de padrão, os estuques ou a pintura mural imitando pedras ornamentais. De qualquer forma, esta associação na escadaria de aparato entre arquitectura e artes decorativas é um fenómeno típico do universo cultural português.

p. 68-86:
VIEIRA LUSITANO EX MACHINA – OS DESENHOS GUARNECIDOS DO MUSEU DE ÉVORA.
par Lécio da Cruz Leal.

As diferentes sensações resultantes da observação de desenhos guarnecidos e não guarnecidos de Vieira Lusitano, conservados em alguns museus do país, levou-nos a considerar outras motivações para além da intenção do pintor pretender promover esta etapa criativa em objecto artístico em si. A nobilitação dos pintores dependia mais da origem social de cada um do que dos seus méritos, para além disso continuavam a ser ensombrados por a mecanização do ofício. Vieira, porém, não obstante ter ascendido ao mais elevado cargo que um pintor deste país podia aspirar, entre muitas outras conquistas, nunca se sentiu verdadeiramente reconhecido nas esferas sociais mais elevadas, contudo nunca foi uma “voz” activa na reversão da situação. Neste artigo, tentaremos demonstrar que o uso das guarnições nos desenhos do Museu de Évora cumpriu dois objectivos: primeiro, “perpetuar” distintamente as obras mais importantes do ponto de vista de promoção social e que haviam sido destruídas por o terramoto de 01 de Novembro de 1755; segundo, notabilizar os desenhos, apresentando-os como frutos do intelecto – «pensamentos».

p. 87-99:
O TRIUNFO DO BARROCO – TALHA, ESCULTURA DE MADEIRA E OURIVESARIA DE PRATA DA IGREJA DA ORDEM TERCEIRA DE SÃO FRANCISCO DE ELVAS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XVIII.
par Mário Henriques Z. Cabeças.

A nova igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Elvas, começada a ser edificada no início de Setecentos, teve importantes obras de enriquecimento artístico no seu espaço interno, sobretudo nas décadas de 30 e 40 desse século, de que damos conta no presente estudo, a saber: os retábulos de talha da capela-mor e das capelas laterais de Nossa Senhora da Conceição e do Senhor da Penitência, as obras de escultura de madeira de “João Baptista genoves” e um conjunto de sacras de prata executado em Roma por Giovanni Paolo Zappati.

p. 100-112 :
O CONCÍLIO DOS DEUSES DE CYRILLO VOLKMAR MACHADO – ANÁLISE DA PINTURA DECORATIVA NO TECTO DO SALÃO DE BAILE DO PALÁCIO BARÃO DE QUINTELA E CONDE DE FARROBO (LISBOA).
par Helena Sofia Braga.

O presente trabalho centra-se na análise da pintura mural O Concílio dos Deuses, que o artista Cyrillo Volkmar Machado realizou para o tecto do salão de baile da antiga residência do Barão de Quintela. Esta é talvez a sua obra mais emblemática, pois é provavelmente a primeira vez que um artista, no âmbito da arte da pintura mural portuguesa, se reporta à utilização de uma fonte literária lusitana para o décor de um espaço coeso com os novos conceitos de sociabilidade emergente na segunda metade do século XVIII.

p. 113-128:
A BAIXELA DE PRATA DA CASA VEYRAT PARA A RAINHA D. MARIA PIA – UM SERVIÇO DE MESA EMBLEMÁTICO NO ACERVO DO PALÁCIO NACIONAL DA AJUDA.
par Teresa Maranhas.

A baixela de prata da Casa Veyrat, constituída hoje por duzentas e sessenta e uma peças, terá sido trazida de Itália por D. Maria Pia quando veio para Portugal para casar com o rei D. Luís I, em 1862. Este serviço, “conhecido pelo nome de prata do casamento”, conservou-se no Palácio da Ajuda e faz hoje parte do seu acervo. Destino diferente teve o centro de mesa deste conjunto, entregue pela própria soberana ao Banco de Portugal no início do séc. XX, como garantia de empréstimos bancários que contraiu. Em Julho de 1912, já em plena República, foi vendido no célebre leilão das Jóias e Pratas que pertenceram à falecida rainha D. Maria Pia. O seu paradeiro permaneceu desconhecido até Dezembro de 2014, altura em que reapareceu no mercado de antiquariato e arte e foi adquirido pela Direcção-Geral do Património Cultural para reintegrar o acervo do Palácio Nacional da Ajuda.

p. 129-141:

UM PEQUENO TESOURO DO PALÁCIO NACIONAL DA AJUDA – UM TÊTE-À-TÊTE DE CHOCOLATE QUE PERTENCEU AO INFANTE D. AFONSO, DUQUE DO PORTO.
par Tiago Samuel Franco Rodrigues.

Neste artigo efetuar-se-á a análise de um serviço tetê-à-tetê para chocolate da manufatura de Viena que faz parte do acervo de cerâmicas do Palácio Nacional da Ajuda. O mesmo é rico em detalhes e foi alvo de uma análise comparativa com outros dois: um do acervo do Palácio Nacional de Queluz e outro do Palácio Nacional da Pena. Os três pertenceram aos bens da Casa Real portuguesa, desde a sua aquisição até 1910.

p. 142-160:
O ANTIGO PAÇO EPISCOPAL DE ELVAS – AS ARTES DECORATIVAS E O SEU PERCURSO NO CONTEXTO DA I REPÚBLICA.
par Nuno Cruz Grancho.

A criação do novo bispado de Elvas no século XVI, exigia a construção de um Paço Episcopal que servisse de residência a todos os bispos que futuramente governassem a diocese. A sua construção, ampliação, e os muitos enriquecimentos empreendidos por alguns desses eclesiásticos, idealizados e concretizados de acordo com o gosto vigente, permitiu atribuir às suas casas uma atmosfera compatível com o estatuto inerente ao desempenho do seu cargo. A extinção da diocese em 1881 e a sua execução no ano seguinte, ditariam novas funcionalidades a este edifício, encontrando-se na Lei da Separação o momento histórico em que uma significativa parte da sua componente artística – pintura, mobiliário, ourivesaria, faiança, paramentaria, azulejaria, livraria, etc – se dispersa por inúmeras instituições culturais.

p. 161-172:
PANORAMA DAS ARTES DECORATIVAS EM SÃO PAULO ENTRE 1950 E 1960.
par Patrícia M. S. Freita.

Entre as décadas de 1950 e 1960 em São Paulo, é possível notar a construção um elevado número de edifícios modernos com uma nova e atualizada conexão com as artes decorativas. São obras que estabelecem parceria entre arquitetos e artistas plásticos. Estes últimos criaram diversos murais feitos em pastilha de vidro, cerâmica, pintura mural e azulejos.

A execução destes painéis mobilizou o trabalho em conjunto de nomes nacionais e internacionais, como Oscar Niemeyer, Cândido Portinari, Clóvis Graciano, Vilanova Artigas, Roberto Burle Marx, Bramante Buffoni, entre outros. Os temas abordados nessas obras variam entre motes alusivos à identidade e à memória paulista: bandeirantes, o trabalho e a indústria, mas podem também escolher formas abstratas, expressando um debate entre figurativismo e abstração, recorrente na época. Neste contexto, estas obras permitem a reflexão acerca da inserção de um programa decorativo na arquitetura moderna e no debate internacional sobre a síntese das artes.

p. 173-187:
O OURO SAI À RUA – A PRESENÇA DE ORNATOS ÁUREOS NAS FESTIVIDADES POPULARES DO SÉCULO XX E ALVORES DO SÉCULO XXI.
par Rosa Maria Mota.

Este artigo pondera sobre a ligação entre a utilização de adornos de ouro inicialmente utilizados no quotidiano das povoações rurais, e as romarias e festas populares. Para tal, salientamos a sua ligação aos trajes regionais, às vestes rituais e à religião católica, aqui por meio dos ex-votos em ouro e da ornamentação das imagens sacras, dos figurantes nas procissões e dos andores que as compõem. Escolhemos acontecimentos situados em zonas diferenciadas como o Minho, a Beira Baixa e o Alentejo, com diferentes tradições no uso de ornamentos áureos─ que encontra no Norte de Portugal a sua maior expressão─, mostrando que este facto ocorre em todo o território nacional.

VARIA – NOTAS DE INVESTIGAÇÃO

p. 188-194:
FRANCISCO DE HOLANDA OU O SIMULACRO DO GÉNIO.
par Vasco Medeiros.

A dimensão universal de Francisco de Holanda constitui facto incontestável. Face ao axioma, urge libertar a visão de constrangimentos e miopias na análise do homem real, distante da mitificação histórica e teórica formulada nas multiplas páginas que a sua proficua tratadística originou. Holanda vincula-se conscientemente ao papel do génio maneirista, cujo desprendimento teórico não constitui óbice à formulação artística, antes pelo contrário. No entanto, este posicionamento dificilmente se enquadra com a estrutura teórica dos multiplos tratados e manifestos que compôs. A Idea, imagem pura e liberta de quaisquer constrangimentos assumirá papel preponderante no ideário maneirista, constituindo o seu abnegado anticlassicismo, verdadeiro libelo contestatário contra a crescente cientificação da arte. Do seu confronto com este universo dissonante – de génio multisciente à singularidade de génio criador – Holanda irá conjugar em si duas paradoxais dimensões: Um simulacro de erudição em clara oposição à Terribilitá deformante e irreverente do espirito maneirista.

p. 195-202:
A IMITAÇÃO DA ESTEREOTOMIA DA PEDRA COM JUNTAS SALIENTES NA ARQUITETURA RELIGIOSA DO ALGARVE.
par Marco Sousa Santos.

A imitação da estereotomia da pedra com juntas salientes, técnica decorativa que consistia na aplicação de um revestimento parietal que simulava cantaria aparelhada de modo a disfarçar a natureza de um aparelho construtivo constituído por materiais mais pobres, também foi utilizada na região do Algarve. No total, foi possível identificar vestígios da aplicação dessa invulgar técnica em pelo menos cinco edifícios religiosos do território algarvio construídos ou alvo de importantes campanhas de obras entre os séculos XV e XVI.

p. 203-209:
MEDALHÃO SETECENTISTA ITALIANO COM EFÍGIE DE CRISTO E MOLDURA EM METAL DOURADODO PALÁCIO NACIONAL DA AJUDA, LISBOA.
par Teresa Leonor Vale.

O presente texto aborda uma peça inédita: um medalhão setecentista, de produção italiana, que consiste numa efígie relevada de Cristo, em mármores polícromos, enquadrada por uma moldura oval em metal dourado, constante das colecções do Palácio Nacional da Ajuda (Lisboa). Ao longo do texto procurar-se-á situar cronologicamente a peça bem como clarificar a sua origem italiana.

p. 210-217:
PAISAGENS DE MACAU (SÉCS. XVIII-XIX) – “VUE DE MACAO EN CHINE” VERSUS “ON THE GREEN”.
par Alexandrina Costa.

O Museu do Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM) conserva no seu acervo uma gravura e um desenho com vistas da cidade de Macau, dos finais do séc. XVIII e da primeira metade do séc. XIX. A primeira, “Vue de Macao en Chine”, data de 1787 e é da autoria de Gaspard Duché de Vancy e o segundo, “On the Green”, um pouco mais tardio, é do ano de 1838 e foi desenhado por Warner Varnham.

Estes dois exemplares oferecem-nos perspectivas complementares e extremamente interessantes da cidade de Macau. Nos mesmos é possível reconhecer paisagens físicas e humanas e reconstituir ambientes.

Estas imagens serão analisadas em paralelo, nas suas semelhanças e diferenças e, no âmbito deste estudo, serão cruzadas com memórias escritas coevas, de forma a atingir-se outros níveis de compreensão e de leitura da realidade da época, para além da dimensão estritamente visual que as mesmas encerram.

p. 218-222:
NOTAS PARA UMA BIOGRAFIA DE LUÍS AUGUSTO DE PARADA E SILVA LEITÃO (1811-1858).
par José Francisco Ferreira Queiroz.

Neste trabalho, apresentamos uma primeira tentativa de esboço biográfico de Luís Augusto Parada e Silva Leitão (1811-1858). Litógrafo, desenhador, engenheiro condutor de obras e professor de Desenho, Luís Augusto Parada e Silva Leitão viveu em Lisboa, em Coimbra e no Porto, constituindo um exemplo interessante de mobilidade e de versatilidade, com uma actividade que combinava a arte e a indústria.

p. 223-230:
“PITORESCO E ROMANTICO” – PREMISSAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SÍTIO DA ARRÁBIDA, SEGUNDO O DOUTOR ANTÓNIO NUNES DE CARVALHO, RESPONSÁVEL DO DEPÓSITO DAS LIVRARIAS DOS EXTINTOS CONVENTOS.
par Rute Massano Rodrigues.

O Doutor António Nunes de Carvalho, homem dedicado à memória, desempenhou um papel importante na valorização do património nacional. Liberal, académico, antigo exilado político, ocupou o cargo de encarregado do Depósito das Livrarias dos Extintos Conventos, altura em que defendeu a conservação da Arrábida, sítio com história e caraterísticas únicas. Propomo-nos revelar mais sobre uma personalidade com importantes contactos e uma ação interventiva na sociedade da época, fazendo parte das correntes liberal e romântica que contribuíram para a implementação de políticas patrimoniais na primeira metade do século XIX.

p. 231-237:
CLASSICISMO NOS HOSPITAIS DA MISERICÓRDIA E DA BENEFICÊNCIA NA SEGUNDA METADE
DO SÉCULO XIX – TRÂNSITO ENTRE BRASIL E PORTUGAL.
par Cybelle Salvador Miranda, Fernando Grilo e Joana Balsa de Pinho.

O estudo das instituições de saúde na cidade de Belém no século XIX, decorrentes da pesquisa “Memória e cidade: itinerários da saúde na Belém colonial e imperial” trouxeram à tona o intercâmbio estético da Arquitetura entre Brasil e Portugal. No período imperial, em especial na segunda metade do século XIX, há intenso fluxo de pessoas e ideias entre a ex-colônia e a metrópole. Deste modo, as influências recíprocas se fazem presentes, tendo como evidência o campo da arquitetura dos edifícios de saúde. A presente investigação busca contribuir para aprofundar o estudo das relações luso-brasileiras no âmbito da arquitetura, enveredando por recorte específico da arquitetura civil, que envolve as construções erigidas pelas Beneficências e Misericórdias no Brasil e em Portugal. O recorte eleito sugere desvendar as influências estéticas na Arquitetura que inaugura a Belle Époque paraense, de cunho classicista, bem como seus autores, assunto ainda não explorado pela historiografia local.